Carne Suína na Lata

Carne Suína na Lata: um alimento antigo que vem ressurgindo nos últimos anos!

A famosa carne na lata é um clássico da culinária caipira. Esse método, que herdamos dos portugueses, foi desenvolvido pela necessidade de conservar os alimentos, já que na época não havia geladeira. Por isso, eles utilizavam a própria gordura do animal para fazer o papel do refrigerador!

Para conservar a carne da lata, é preciso que a mesma esteja sempre coberta de banha, que forma uma espécie de talha, de camada protetora, impedindo o contato com o ar. Tem que evitar a entrada de umidade na lata, bem como talheres molhados, e não deve resfriá-la, uma vez que isso pode fazer a tampa “suar”. Dessa forma, a sua validade fica prolongada e ela pode ser guardada por meses, sem ir a geladeira.

Além de comer a carne, você ainda pode utilizar a banha para o preparo dos alimentos: cozinhar, refogar e fritar.

Utilizada há muitos anos em todo o mundo, a banha de porco vem ganhando força novamente devido aos seus inúmeros benefícios:
É rica em vitamina D, B, C, fósforo, cálcio e ferro, tem ação antioxidante, termoestável (aguenta altas temperaturas-bom para fritar e pode ser reutilizada), rica em ácidos graxos poli e monoinsaturados, baixo custo, contém ômega 3 (se o porco não for criado com ração), livre de gordura trans. Segundo um estudo conduzido pelo Dr. Thomas Sherman, neuroendocrinologista e professor de fisiologia da Universidade de Georgetown, a banha de porco aumenta o HDL (colesterol bom), reduz o LDL (colesterol ruim) e protege o coração.
Para quem não tem o privilégio de produzir sua própria carne na lata, chegou um produto pronto no mercado, da @orcaalimentos, que pode ser encontrado aqui em Brasília na rede Oba (foto do post).

Já experimentei e realmente tem aquele sabor caseiro! Muito parecido com a que eu faço lá na fazenda.
Fica a dica!!

Compulsão alimentar

A compulsão alimentar é um distúrbio incontrolável da vontade de comer, mesmo sem ter fome. A pessoa muitas vezes está satisfeita, mas não consegue parar de se alimentar, o que a leva a ingerir grandes quantidades de comida em pouco tempo.

Fique atento ao notar hábitos como comer sem fome, ou escondido, ou durante o dia todo, ou para aliviar o estresse, entre outros. A compulsão tem tratamento e deverá ser feito por uma equipe inteira de especialistas: médico, nutricionista, psicólogo e educador físico.